O MEU BLOG

9. jul, 2018

Olhei para o espelho e descobri que tinha rugas, muitas, em volta dos olhos, da boca, na testa... e perguntei-me: Porque é que tenho rugas ?

Eu tenho rugas porque eu tive amigos... e riamo-nos tanto, mas tanto, que chegavamos às lágrimas...
Eu tenho rugas porque conheci o amor que me fez espremer os olhos de alegria...

Eu tenho rugas porque amei e me preocupei, porque fiquei muitas vezes acordada para fazer amor, ler um livro ou, simplesmente a ouvir "aquelas" músicas.

Eu tenho rugas porque tive filhos e me preocupei com eles desde a sua concepção, porque passei muitas noites em claro, porque eles estavam doentes, porque tinham febre, ou porque tinham medo das noites mais invernosas...

Mas também tenho rugas porque sorri por cada uma das suas descobertas, por cada sua nova conquista, por cada novo sucessso .... 

Eu tenho rugas, porque eu também chorei...
Chorei pelas pessoas que amei e que partiram, por pouco tempo ou para sempre, sabendo ou sem saber o porquê...

Eu tenho rugas porque viajei e vi novos lugares, lindos, que me fizeram abrir a boca de espanto, mas também vi lugares antigos, tão antigos, que me fizeram chorar...

Dentro de cada sulco do meu rosto e do meu corpo, esconde-se a minha história... escondem-se as emoções que vivi... a minha beleza mais íntima...

Cada ruga é uma história da minha vida, uma batida do meu coração, uma fotografia do album das minhas memórias mais importantes e, se apagar alguma delas, apago-me a mim mesma.


Adaptação de um texto de autor desconhecido

Mandy MartinsPereira escreve de acordo com a antiga ortografiia.


Imagem: A mulher linda da fotografia é Danuta Szaflarska, aos 100 anos.

6. mai, 2018
21. abr, 2018

“Eis o que eu aprendi
nesses vales
onde se afundam os poentes:
afinal tudo são luzes
e a gente se acende é 
nos outros.
A vida é um fogo,
nós somos suas breves 
incandescências.”
Mia Couto - In: Um rio chamado Tempo, uma casa chamada Terra.

Imagem: As Annas da minha Vida

Foto de Emoções - Reflexos de Vida.

13. fev, 2018

"A vida... e a gente põe-se a pensar em quantas maravilhosas teorias os filósofos arquitectaram na severidade das bibliotecas, em quantos belos poemas os poetas rimaram na pobreza das mansardas, ou em quantos fechados dogmas os teólogos não entenderam na solidão 
das celas. Nisto, ou então na conta do sapateiro, na degradação moral do século, ou na triste pequenez de tudo, a começar por nós. 

Mas a vida é uma coisa imensa, que não cabe numa teoria, num poema, num dogma, nem mesmo no desespero inteiro dum homem."

Miguel Torga
A Vida não Cabe numa Teoria
Diário (1941)

4. fev, 2018
Me olho no espelho
E não vejo quem desejo
Estou a me desmanchar.
Não são os mesmos
O contorno dos meus olhos
Da minha boca
Dos meus braços
Dos meus seios
Do meu corpo
Me horrorizo.
Meu grito mudo
Estilhaça o espelho
Em mil pedaços
Quase desesperada
Penso
Ainda não é meia-noite
E já estou perdendo meu encanto?
Quero parar o tempo.
Recuperar o meu rosto
O meu corpo de ontem
Tento me inventar outra
E me vejo a praguejar
Tempo infinito
Tempo Maldito
Porque insiste em
Me fazer passar?
Porque passo pela dor de mudar?
Respiro
Aos poucos me serenizo.
E o trem para em outra estação
Que não é exatamente a do Verão
Mas  que me faz concluir
Que o que senti há pouco
É quase uma bobagem
Como posso impedir o tempo
De caminhar?
Se eternizo o meu corpo
Perco o lugar onde guardar
As histórias que tenho pra contar.
E são elas
Minhas riquezas
Meu ouro
Concluo
Entre chateada e encantada
 Que é da lei
Da vida
Do tempo
Tudo estar em movimento.
E que tudo é circular.
Se eles levam parte de mim agora
Paciência
Num outro tempo
De outra forma
Talvez em outro lugar
O Cosmo dará um jeito
E de novo
E inteira
Eu volto a brotar.
 
Lisa Santana