21. jul, 2017

MOMENTOS, MEMÓRIAS DA MINHA FACULDADE

 Hoje acordei nostálgica e recordei os tempos da minha juventude.

Momentos simples, momentos que, afinal, se tornaram

Na minha forma de encarar a vida e o mundo..

Momentos que hoje são marcas  no meu coração,

Pelos sonhos que vivi e pelos que ficaram pelo caminho.

Pelas noites que chorei,  e pelas dores que doeram,

mas também, pelas gargalhadas que dei, e pelas alegrias que senti, em simples momentos, que jamais esquecerei,

E que o tempo insiste em não apagar.

Saudades desses momentos, em que até a simples presença dos amigos confortavam

Saudades daqueles tempos em que os conselhos dos mais velhos encorajavam,

e os seus sorrisos eram detalhes…

E vem-me à memória aquele poema de Sophia de Mello Breyner:

"Pudesse eu não ter laços nem limites
Oh vida de mil faces transbordantes
P'ra poder responder aos Teus convites
Suspensos na surpresa dos instantes"

Um poema de Sophia de Mello Breyner Andresen, uma das maiores poetisas portuguesas, aluna de Filologia Clássica na Faculdade de Letras entre 1936 e 1939.

Imagem : FLUL